Grupos estrangeiros estão atrás de agências digitais brasileiras

 

Francisco Madia

Mais três agências digitais estão no radar do conglomerado inglês de serviços de marketing WPP. A compra deve ser fechada nas próximas semanas. Sérgio Amado, presidente do Grupo Ogilvy, que pertence à multinacional britânica, tem acompanhado a movimentação do setor e afirma que “nem tudo que está à venda interessa, porque nem tudo vale a pena”. E, mais do que isso, avalia que as compras dos grandes grupos estrangeiros estão focadas na área digital. As agências convencionais, neste momento, não despertam interesse.

Apesar da sinalização desde a venda há quase um ano da agência tradicional de propaganda Talent para o outro grande conglomerado que disputa liderança no cenário global do setor com o WPP – o francês Publicis –, o mercado interno de fusões e aquisições de empresas de publicidade e marketing esquentou. Atiçados pelo preço aventado para a concretização do negócio de R$ 150 milhões – valor nunca assumido pelas partes – , os donos de agências brasileiras ainda não pertencentes a redes internacionais começaram a considerar a venda de seus negócios. Ou total, ou em parte. Quando consultados, entretanto, todos dizem que estão sendo procurados. É a velha tática comercial de não demonstrar interesse para valorizar o passe.

Na atual condição de assediadas estão, pelo menos, três agências entre as 20 maiores do ranking nacional: Fischer & Friends, NBS e NeogamaBBH. As duas primeiras são nacionais e tanto Mario D’ Andrea quanto Cyd Alvarez, sócios dos empreendimentos, admitem conversas. A outra tem cerca de 30% do capital no portfólio da rede inglesa BBH e, portanto, como diz Alexandre Gama, sócio majoritário, em caso de qualquer proposta, os ingleses seriam consultados primeiro.

Finda a caça às agências tradicionais

“O tempo de caça se encerrou. Não há mais nada a ser caçado”, diz Francisco Madia de Souza, profissional que há 30 anos opera no mercado de intermediação de compra e venda no segmento. Passaram por suas mãos casos emblemáticos, como a construção da agência de Washington Olivetto, em 1986, a W/GGK em sociedade com suíços. O negócio exigiu sigilo, porque envolvia a saída de Olivetto da histórica DPZ, onde ele despontou para o meio publicitário mundial.

“Não existe nada hoje no âmbito das agências que nasceram no ciclo de desenvolvimento industrial do País que possa interessar a grupos de fora”, acrescenta. “Diria até que a venda da DPZ e da Talent foi tardia e por razões pontuais.”
Para o consultor, a era das agências comandadas por profissionais de criação, que na última década foram adquiridas pelas redes globais, acabou. Agora, a busca por resultados domina, diz. Os gigantes prestadores de serviços de marketing têm acionistas cobrando resultados. “O charme dos ‘criativos’ dando um lustro nos negócios cumpriu o seu papel”, diz ele.

Um bom exemplo disso tem sido o tipo de demanda que presencia em seu escritório. “Fui procurado para que sondasse a disposição do Pão de Açúcar em vender sua agência interna, a PA, muito rentável. São empresas, como a fabricante de bens de consumo Hypermarcas, com enorme potencial de comunicação e pesado investimento em marketing que atraem o apetite de conglomerados de comunicação que já têm participação em outros negócios do gênero fora do País.”

Multiplicador  de compra fica entre 4 e 8

Conhecedor dos bastidores das aquisições, Madia garante que nunca assistiu a uma venda cujo valor do negócio superasse em oito vezes o lucro depois do imposto de renda. A média fica em quatro. Os processos de compra encabeçados por estrangeiros são bastante rigorosos. Eles querem controlar o financeiro e procuram profissionais com a função de “integradores”. Ou seja, que tenham preparo técnico para sentar à mesa com a presidência do cliente e oferecer soluções de comunicação independentemente das ferramentas e plataformas que a agência vai usar para difundir as mensagens do anunciante.

Desbravadores  criaram valor para o mercado do setor

Alexandre Gama, publicitário que encarna a geração de profissionais que desbravou o mercado criando seu próprio negócio, reconhece que andou conversando com a consultoria de fusões e aquisições Estáter (que fechou o negócio da venda da Talent), a consultoria de Madia, além de outro grupo estrangeiro. Mas admite que não ouviu nada de seu agrado. “Quando tiver a proposta infalível, vendo. Até agora, ou o dinheiro, ou o projeto não valiam a pena. A Neogama tem um ciclo de vida a realizar. Está na sua maturidade. Não tenho pressa em sair da atividade.”

As digitais que estão na mira dos estrangeiros

Duas das três agências digitais que estão negociando com o grupo WPP são a paulista iThink e a gaúcha W3 Haus. Mas os sócios das duas desconversam sobre o imediato fechamento da compra e garantem que conversam também com outros grupos estrangeiros. Marcelo Tripoli, sócio e diretor da iThink, não esconde que negociar com grandes grupos sempre fez parte dos planos da agência desde a sua fundação. Mas assegura que a venda só acontecerá se a compra contemplar a continuidade do trabalhos desenvolvido até agora.

Thiago Ritter, sócio e diretor da W3 Haus, acrescenta que as agências digitais independentes vivem momento de atratividade porque tem aumentado a procura pela prestação de serviços online. Com clientes como Tramontina, Kraft e Petrobrás, a agência, nascida há 11 anos, tem até escritório em Londres.

Outra digital que está na bica de fechar sua venda é a paulista LOV – com verbas de clientes como Sony, Magazine Luiza, BRMalls e Nestlé, A LOV está em negociação com o grupo japonês Dentsu, que acaba de se estabelecer no Brasil.

About these ads
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 58 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: